Games: Bolacha é na cara, o certo é biscoito! (mas pra mim é cookie)


Boa tarde pessoas!!

Acho que você já sabe que está rolando uma onda de Cookie Clicker por ai, certo??
Okay, para quem não sabe, Cookie Clicker é um "jogo" que você vicia e fica clicando em um cookie  loucamente por objetivo algum (mas é pra isso que servem os jogos, para nada).
Há quem diz que deixou o computador ligado o dia inteiro só para conseguir mais cookies (eu ).
Eu já conhecia Cookie Clicker anos antes de virar febre, mas toda vez que eu vejo o jogo, eu vicio e logo largo...

Eu procurei as versões para iOS, e para Android (v1 e v2). E é claro, tem o clássico e mais divertido, para PC!
Essas imagens são de um save antigo meu que eu perdi, e essas próximas são imagens da página do jogo!


 É lógico que quem gosta de coisa portátil, instalar no celular é a coisa mais fácil de se fazer, mas se você não ter um dispositivo com sistema Android ou iOS, o de PC é, na minha opinião, o melhor!!













Espero que tenham gostado!
Com amor, 
Fernanda

8 Tracks: Fuck Ups


Oi gente, como vão? Estou tentando diminuir os 'hiatus' que ocorrem aqui no blog. Estou pensando em criar um blog para eu postar resenhas de filmes e episódios de séries, o que acham? 
Dessa vez venho aqui com uma playlist que adorei e que ouvi ela ontem. Ela foi criada pelo user finnicksnips e tem várias músicas indies, incluindo Imagine Dragons, Mariana and the Diamonds e Lana Del Rey. Para quem está querendo algo para ouvir, são apenas 11 músicas e não dura mais de 50 minutos.
Espero que gostem.



"A Garota Que Eu Quero" de Markus Zusak

Nome: A Garota Que Eu Quero
Autor: Markus Zusak
Trilogia: Irmãos Wolfe
Nº de Páginas: 174
Editora: Intrínseca

Para ser sincero, eu me perguntava se algum dia cehgaria a hora de Cameron Wolfe (esse sou eu) se dar bem. Imaginava um eu diferente. Era diferente porque, naqueles momentos, eu achava que realmente me tornaria um vencedor.
A verdade, porém, era dolorosa.
- Cameron, 7

A Garota Que Eu Quero de Makus Zusak é o último livro de uma trilogia chamada Os Irmãos Wolfe, você não vai achar resenha dos dois livros anteriores nesse blog até porque eu não li os dois livros anteriores. Então eu digo para vocês que não sabia que esse livro fazia parte de uma trilogia, e que li ele inteirinho até descobrir que ele era uma continuação. O que notei? Que você pode ler o livro perfeitamente sem ler os dois anteriores - mas mesmo assim tentarei lê-los e resenhá-los aqui, podendo depois mudar de opinião sobre lê-lo a parte.
Cameron Wolfe sempre foi o coitado da família. Não é o mais bonito entre seus irmãos, nem o mais inteligente, também não é o mais atlético ou o mais carismático. Ele é apenas o Cam, o coitado do perdedor do Cam; que tem que lidar com um irmão mais velho perfeitinho e outro irmão mais velho que consegue todas as garotas que quiser, e tem sua irmã - também mais velha - que adora tirar fotos. Porém um dia algo incrível parece acontecer com Cam, ele se apaixona pela namorada de seu irmão pegador, a Octavia; e parece que finalmente acha seu talento, a escrita.
Cameron sabe que o namoro de Octavia e Rube (seu irmão) não vai durar, pois nunca dura os namoros de seu irmão. Ele namora as meninas por algum tempo, depois começa a gostar de outra e da um pé na bunda da namorada atual. Sempre assim. E Cam não pode evitar de amar a Octavia, mas por que uma menina como ela gostaria de um perdedor como ele? Mas talvez Octavia não o veja dessa forma.

Eu nunca tinha visto o rosto de uma pessoa se abrir desse jeito.
De orgulho.
- Cameron, 24

Eu me apaixonei por esse livro. Cada frase era perfeita, cada fala dita pelos personagens soava com naturalidade, cada personagem parecia real e perfeito demais ao mesmo tempo. Torcia pelo Cameron, sentia dó pelo Cameron, ria dele e com ele, adora e odiava ele. Um personagem tão real, uma história tão estranha e ao mesmo tempo tão possível de existir. Cameron com cada esquisitice e eu adorava cada uma delas. Quando acabei o livro me senti sozinha e implorava por mais.
O livro é intercalado entre a história e um curto texto escrito pelo Cameron, aonde ele abusa de metáforas e mostra pelo ponto de vista estranho e lírico dele -mesmo o livro sendo narrado por ele mesmo- do capítulo anterior. Impossível não gostar.

Nada vem fácil para um ser humano como eu.
Isto não é uma queixa.
É só uma verdade.
- Cameron, 17

Reign

Olá pessoas do meu Brasil. Hoje eu vim falar de uma série que só tem o primeiro episódio lançado. Sim, a série está beeeem no começo e uma ótima pedida para o dia. A série Reign é da CW, ou seja tem tudo para ser um sucesso. Ela foi lançada dia 17 e o primeiro episódio já teve de tudo que você pode imaginar -bem, não tudo, mas tudo que se encaixe no tema e na faixa etária. Aqui vai uma sinopse para vocês.
A narrativa descreve a história de Mary Stuart da Escócia e seu caminho até o poder, iniciando com sua chegada à França com 15 anos e seu noivado com o Príncipe Francis. Acompanhada de suas três melhores amigas, Mary precisa sobreviver às intrigas, inimigos e forças obscuras que tomam conta da corte francesa.
 Vocês devem estar pensando: história, meu deus que chato isso. Mas posso assegurar que a série não é nem um pouco chata. Para quem conhece as séries da CW sabe muito bem como as séries de lá são únicas e diferentes das normais. E essa não podia ser diferente. Se seguir o estilo do piloto, teremos uma queridinha em poucas semanas.
Outra coisa que adorei foi o elenco que conta com alguns artistas que eu já conhecia de filmes como Nárnia e Amanhã Quando a Guerra Começou. Os personagens tem personalidades fortes, e parece que cada um vai seguir um caminho diferente.
Mary Stuart é herdeira do trono da Escócia, porém a menina é muito nova e passou grande parte de sua vida com freiras que a ensinaram e a educaram. Mas, agora com 15 anos, Mary pode estar sendo perseguida pelos rebeldes e para não ser assassinada, é mandada para a casa de seu futuro marido, o Príncipe Francis da França. 
Na França, Mary viverá no castelo da família real, podendo contar ainda com suas amigas de infância que estão lá para lhe fazer companhia. Há boatos que existe um fantasma vivendo no castelo, o que dá um ar sobrenatural a série, porém coisa mínima. A série gira em torno de intrigas, mentiras e segredos que cada um dos morados do palácio pode ter.
Ainda há um triângulo amoroso entre Mary, o Príncipe Francis e o meio irmão do Príncipe, um filho bastardo do rei e sua amante, Sebastian. Que comecem as apostas de com quem Mary ficará!
Quero ver muito como será o desenrolar da série. Ela passa toda terça feira na CW, então vamos todas acompanhar juntas o que pode ser a melhor nova série desse ano da CW.

8 Tracks: the grat gatsby soundtrack


Olá, como vão? Há muitas playlists do 8 tracks que tenho que recomendar aqui, quase todas que eu ouvi enquanto estive fora merecem estar aqui. Então vamos uma por semana.
A dessa semana é uma trilha sonora que já ouvi tantas vezes que perdi a conta e já sei as músicas de cor - apesar de muitas das vezes não saber o nome da música ou quem canta. É a trilha sonora de The Great Gatsby - ou O Grande Gatsby no Brasil -, uma das trilhas sonoras mais elogiadas e o porquê disso pode ser notado conforme as músicas vão tocando.


"Extraordinário" de R.J. Palacio

Nome: Extraordinário
Autora: R. J. Palacio
Nº de Páginas: 320
Editora: Intrínseca


August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.


Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.
- Preceito de Setembro

Auggie Pullman vai começar seu primeiro ano na escola. Porém ele está um pouco mais nervoso do que as crianças normais, pois Auggie é diferente das crianças normais. August nasceu com uma síndrome genética que o fez nascer com o rosto deformado; sem problemas mentais, nem nos membros, a única coisa que separa Auggie do resto das outras crianças é seu rosto.
 Durante toda sua infância Auggie passou por várias cirurgias, algo que o impediu de ir para a escola, pois tinha que ficar em casa se recuperando. Por isso, o menino teve aulas em casa com a mãe muita das vezes. Mas agora Auggie vai começar um novo capítulo de sua vida, vai começar o quinto ano e em um colégio de verdade! Mas seu primeiro ano na escola não será fácil, terá que lidar com meninos que não gostam muito dele, com cochichos por todo lugar - algo que o garoto diz já ter se acostumado; mas Agguie terá alguns amigos do seu lado, alguns que o amam pelo o que ele é.

Talvez seja uma loteria, mas o universo deixa tudo certo no final. O universo cuida de todos seus pássaros.
- Justin

  Extraordinário é um livro extraordinário! Adorei a escrita da R. J. e como ela me fez ficar feliz, triste e até gritar com o livro de frustração. Você se apaixona pelo Auggie nos primeiros capítulos, ele é uma criança feliz que aprendeu a lidar com seu problema, adora Stars Wars e o Halloween. Ele é uma criança muito inteligente e não tem um pingo de maldade, o que deixa tudo mais triste, mas também mais lindo.
  O mais legal do livro é que não é apenas o Auggie que narra, ao longo de livro - que é dividido em 8 partes, cada uma com um narrador diferente -, vemos seus amigos, sua irmã Olivia (apelidada de Via) e até dois amigos de Via! Isso nos faz ver cada ponto de vista, e suas histórias com Auggie - incluindo a primeira impressão de alguns.
  É um livro maravilhoso, com várias passagens lindas que nos fazem querer chorar. Um final perfeito. Adorei o livro e com certeza vou reler ele mais uma vez algum dia, para me emocionar de novo. Ao escrever essa resenha já me emocionei com as memórias do livro.

Deveríamos ser lembrados pelas coisas que fazemos. Elas importam mais do que tudo. Mais do que aquilo que dizemos ou do que nossa aparência. As coisas que fazemos sobrevivem a nós. São como os monumentos que as pessoas erguem em honra dos heróis depois que eles morrem. Como as pirâmides que os egípcios construíam para homenagear os faraós. Só que, em vez de pedra, são feitas das lembranças que as pessoas têm de você. Por isso nossos feitos são nossos monumentos. Construídos com memórias em vez de pedra.
- Auggie

O Funeral



 A brisa fria da tarde de Agosto raspa nas pernas expostas da menina. O cabelo negro se despenteia e o vestido tremula. Se fosse um dia normal isso teria a deixado feliz. Teria trazido uma estranha sensação de liberdade. E junto do namorado, depois de insistir um pouco, dançariam no meio da calçada; como se fosse um filme romântico e fofo.
 Mas esse não era uma cena de um filme, se fosse, com certeza não seria aquela cena linda e divertida que o menino e a menina se olham, dançam e se beijam como se fosse a primeira vez. Alice sabia disso. Também sabia que os cabelos negros ao vento combinavam com o vestido negro e isso era uma coisa triste de saber. Parecia que o "look" que ela estava usando também combinava com a paisagem: com as árvores marrons que por causa do céu cinzento pareciam quase negras; com as folhas mortas e secas que cobriam o chão que um dia teve uma grama verdinha e aparada; combinava também com todos os outros presentes, todos vestidos de preto, grande parte usando chapéu e muitos olhos vermelhos e inchados.
 Na frente dela o caixão se estende, do outro lado do caixão sua mãe chora com as tias de Alice, todas são irmãs mas de longe não parecem, cada uma com um estilo diferente, com cabelos de cores diferentes e com atitudes diferentes: a mãe chora encolhida no canto das duas tias, tem um vestido preto e básico e tem o cabelo igual o da filha; sua tia Anna já usa um terno, os cabelos loiros e lisos, recém pintados, estão em um coque e Anna abraça a outra irmã, Aline; esta, tem cabelos castanhos avermelhados e tem uma roupa um pouco espalhafatosa para tal situação, o que combina com o modo que chora, este, tão espalhafatoso que atrai o olhar de qualquer um que passasse na rua. As três eram muito diferentes, mas partilhavam da mesma dor.
 Com muito cuidado, as três se abaixaram e jogaram um pouco de terra cada uma no caixão. O vento ficava cada vez mais forte, e a chuva parecia estar cada vez mais perto.
  Do lado de Alice, o namorado assistia tudo, se sentia meio perdido se a abraçava ou se apenas ficava lá, e acabou pegando a mão da namorada. Essa, ao sentir o toque, se sentiu momentaneamente melhor, ele estava junto dela e isso era a melhor coisa que acontecia na semana inteira. Ela se sentia mais forte, mas a sensação foi tão breve, que ela desconfiou que fosse uma mentira que ela acabou acreditando.
  A mãe e as tias continuavam olhando para o caixão, como se esperassem que tudo aquilo fosse apenas uma mentira, uma brincadeira de mal gosto que logo acabaria, mas no fundo todos sabíamos que não era, e essa era a pior parte de tudo. Alice achava que estava bem, estava sendo forte pela mãe, as duas não podiam desabar no mesmo momento.
  Mas mesmo assim, Alice sentiu uma lagrima cair, escorrer pela bochecha, passar pelos lábios dando um gosto salgado a boca, e se pendurar no queixo até finalmente cair no tecido do vestido preto; após dessa veio mais uma, e mais uma, todas seguindo o mesmo trajeto: bochecha, lábios, queixo e vestido. As pernas cederam. Lagrima atras de lagrima, elas inundavam a visão de Alice ate ela não passar de um borrão.
 Do lado dela, o namorado a abraça. Ela o empurra e grita, mas ele não a solta. Depois de um tempo ela desiste, e começa chorar na blusa dele. Segundos depois a camisa já esta encharcada, mas ele não liga. É somente uma camiseta, ele pensa.
  O padre começa rezar, seria uma cerimonia bem simples, todos sabiam disso. Alice tentava controlar seu choro para tentar prestar atenção no que o padre dizia, mas toda vez que o nome do seu avô era mencionado ela caia no choro novamente. Por fim a cerimonia acabou. O caixão não estava mais a vista. E Alice parou de chorar. Simplesmente parou. Mas um estranho vazio ficava no seu peito. Ela queria que este vazio fosse embora, choraria cem dias se necessário, não aguentava aquele vazio; aquela memória constante que ele não estava mais lá.
  O vazio nunca sumiu. Mesmo após cinco, dez, quinze anos depois, ele continuava lá. Mas a dor se tornou uma convivência e se encaixou na rotina corriqueira de sua vida. Ela não chorava mais, pelo menos não por isso. A vida te deu outras mil razões de chorar. E a cada choro ela se sentia mais forte. A cada perda, Alice notava que algo se juntava nela, uma lembrança constante que ela ficaria bem, e aquelas perdas estariam com ela do jeito mais inesperado que ela podia imaginar. Mas estariam lá por ela. Uma lembrança constante que ela era mais forte do que pensava.

Lorde

 Olá. Hoje eu vim falar para vocês de uma cantora muito legal que está ficando bem famosa por aí. A cantora Lorde tem feito a cabeça de muitos com o single Royals, que está conquistando um espaço na trilha sonora de muitas playlists do 8 tracks; a música tocou até em The Vampire Diaries!
O verdadeiro nome de Lorde é  Ella Yelich-O'Connor, e não, ela não é britânica, nem mesmo européia. A moça nasceu na Nova Zelândia! Quer mais uma informação "chocante" da moça? Ela tem apenas 16 anos! Isso mesmo, somente 16 anos.
Além de Royals, outra música que tem ganhado espaço por aí é Tennis Court da cantora. Eu sou mais que viciada nessa música, ouço ela milhares de vezes e canto mesmo quando não estou ouvindo. A música faz parte do álbum de estréia da moça que se chama Pure Heroine e que foi lançado no final do mês passado. Ainda não o ouvi, mas deve ser tão bom quanto o EP The Love Club da moça.






É isso por hoje. O que vocês acham da cantora?

Sleepy Hollow

Como vão? Acho que voltei com meus posts sobre séries! Agora com a Fall Season, várias séries vão começar e eu vou tentar começar grande parte delas, e as que eu mias gostar vão parar aqui! A que vai estrear a nossa Fall Season de 2013 é Sleepy Hollow. A série tem somente três episódios lançados e já foi renovada para a segunda temporada! Isso que é poder, hahaha.
Sleepy Hollow traz uma reviravolta contemporânea para A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, trazendo todo o mistério envolvendo essa maldição. Descrita como um suspense sobrenatural, a adaptação vai se passar nos tempos modernos e seguirá as aventuras de Ichabod, um capitão da Guerra de Independência norte-americana, que de alguma maneira viaja no tempo após cortar a cabeça de um cavaleiro.

O Cavaleiro sem Cabeça volta à vida e se vê nos dias atuais. Junto dele, Ichabod Crane - capitão da Guerra de Independência norte-americana, culpado por tirar a cabeça do Cavaleiro -, também volta a vida. De alguma forma ambos estão ligados por sangue. Assim, Ichabod se vê nos dias atuais, sem saber mexer em nada moderno. 
A polícia da pequena cidade de Sleepy Hollow acha que ele é louco e o incriminam de crimes que começam acontecer assim que aparece. Porém, Abbie - uma policial - vê que o encarregado dos crimes é o Cavaleiro Sem Cabeça e defende Ichabod. Depois de tudo, ambos notam que seus destinos podem estar interligados e que os dias para o Apocalipse estão ainda mais perto.


A série é bem sobrenatural, além de conter um gostoso senso de humor. Os episódios passam rápido, e quando você vê já está clamando pelo próximo episódio que só sairá semana que vem. Ichabod e Abbie logo se tornam amigos, talvez as coisas estranhas que acontecem com eles ajude na relação, uma dupla das boas essa. 
Ichabod ainda sofre com sua esposa, Katrina, que é uma bruxa e fala com ele pelos sonhos na esperança de ajudar um pouco, além disso, ela quer sair do lugar daonde está presa. Katrina é uma personagem que estou esperando mais informações, pois nos três episódios lançados não há um grande foco nela.
A série passa nas segundas no Estados Unidos e é da FOX!
Link para ver online aqui. Link da série no Banco de Séries aqui.
Alguém vê a série? Alguma para me recomendar?

"Correr ou Morrer" de James Dashner

Nome: Correr ou Morrer
Autor: James Dashner
Coleção: Maze Runner
Nº de Páginas: 426
Editora: Vergara & Riba


Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.
Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.
Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito.

  Imagino que esta será uma resenha curta, já que não há muito o que contar sobre o livro sem soltar um spolier, possivelmente, crucial para o livro e para o sentido da história.
  Thomas acordou em um elevador em movimento. Ele não lembra de ter entrado no mesmo, ou para aonde o elevador vai. E ele não se lembra de coisas simples, como sua idade, o nome de seus pais, sua aparência física, se tinha irmãos, sua cidade natal, etc. Thomas está em um elevador, e a única coisa que se lembra é seu nome.
  O livro é um grande ponto de interrogação; apesar de ser narrado como narrador onisciente, nós só sabemos o que Thomas sabe - o que não é muita coisa em grande parte do livro. Seguindo a história, assim que sai do elevador, Thomas se vê em uma grande clareira, com altas paredes de pedras cercando o lugar. Parte dessas paredes se abrem de manhã e se fecham de noite, o que a separa a clareira do denominado labirinto e tudo passeia por lá de noite.
   Todos os habitantes da clareira (que são todos meninos) vivem em harmonia, trabalhando em diferentes áreas. Um dos trabalhos de mais destaque é o dos runners, estes saem todas as manhãs para explorar o labirinto e tentar achar uma saída de lá.
   Tudo ocorre bem na clareira, Thomas chega e seu primeiro dia é uma loucura. Mas coisas estranhas começam a acontecer com a chegada de Thomas, começando com a chegada da primeira menina da clareira, Teresa, que chega inconsciente no lugar e com um bilhete escrito: "o malvado é bom". E a pergunta que ronda a cabeça dos outros meninos é: estaria Thomas envolvido com tudo isso?
   Apesar do livro te deixar meio perdido por causa de várias perguntas que são deixadas em aberto mesmo após o final; o livro contém uma escrita frenética, com muitos acontecimentos chocantes no decorrer do livro.

8 tracks: ro•ya•ls

Como vão? No meu tempo livre passo ouvindo música, mas como enjoo muito fácil das músicas te tenho, sempre estou a procura de mais e mais músicas novas. Outro dia, descobri uma playlist no 8 Tracks pela qual me apaixonei perdidamente! Muitas músicas boas que não conhecia, no estilo meio indie que tanto adoro. De lá tirei alguns artistas que provavelmente vão parar aqui no blog em algum momento. 
A playlist se chama ro•ya•ls e foi criada pela theSeanymph - que conseguiu meu follow depois disso -, apesar de eu ter amado a playslit, ela é bem curtinha e conta com apenas 8 músicas! Ou seja, em menos de 30 minutos você já terminou de ouvi-la. Tenho que ouvir mais playlists da menina, e assim que achar mais uma perfeita, eu posto ela aqui no blog!




Curtiram? Acharam alguma música legal para baixar? Vocês gostam de alguma playlist do 8 tracks?