A note for Mr.Wonderful Eyes


 Me lembro da primeira vez que te vi. O ano tinha acabado de começar e você era um dos alunos novos. Quando te vi foi bem de passagem, passeava pela escola sem direção, e olhei você, não lembro o que fazia,  e você nem notou minha presença, mas algo dentro de mim fez com que eu quisesse vê-lo de novo.
 A primeira vez que conversamos não foi por acaso. Você tinha dificuldades com algum dever de casa e minhas amigas fizeram com que eu te ajudasse. Nos apresentamos de um jeito bem bobo e quando me dei conta, já estava te ensinando como fazer toda a lição, porque você errava tudo que fazia, e foi quando nossos olhares se encontraram e vi seus maravilhosos olhos. No momento pensei em destino, afinal tinha passado as férias inteiras ouvindo uma das músicas da Taylor Swift que descrevia seus olhos e meu desejo era saber o que havia de tão fascinante neles.
 Os dias passavam e as coisas mudavam, começávamos a conversar todos os dias e logo, você começou a me cumprimentar nos corredores. Eu sabia que estava com uma paixonite por você e pensava se isso não se tornava algo maior a todo dia. Só que nunca cheguei a saber, porque quando estava quase lá, veio a bomba, você tinha pedido a minha amiga em namoro. Lembro dela toda feliz e algo em mim murchou e logo após, não conseguia de encarar nos corredores e você parou de falar comigo.
 Como eu gostaria de falar que depois daquele dia minha paixonite foi embora da minha vida, mas você não foi. Depois das férias de Julho a escola estava de volta, demorou meses até que você voltasse a falar comigo e mais uma vez não voltamos a nos falar por acaso, tinha virado amiga de uma menina da sua classe e você fazia parte da linha de amigos mais próximos dela. Quando voltamos a nos falar fingimos que a longa pausa não havia acontecido e seguimos a amizade.
 Não demorou muito para eu notar seus defeitos, afinal você era um babaca. Vários dos dias você não conversava comigo, passava reto por mim nos corredores, no final das aulas, era como se eu fosse invisível e era assim que me sentia para você: invisível. Às vezes via você brigando na escola. Depois que saquei que era você que perseguia a todos e chamava os para a luta. E eu me perguntava como eu podia adorar você, alguém que não ama a si próprio, mas o problema é que nada na minha cabeça fazia sentido quando o assunto era você. No final do ano ainda continuávamos amigos, ou seja lá o que eramos um do outro.
 Hoje em dia. Bem, hoje em dia você nem olha para a minha cara. Sem 'olá', 'oi' ou um 'e aí?'. Não sei o que fiz, mas você e seus amigos não olham pra minha cara, mas isso não quer dizer que você falem de mim pelas minhas costas, certo? Porque faz pouco tempo que ouvi um amigo seu, que jurou ser meu amigo, me zoando enquanto ia embora da escola. A parte boa foi que minha paixonite foi embora junto com você e mesmo que eu sofra com as lembranças que sempre vem me atormentar quando vejo vocês passarem, eu sei que foi melhor assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou dessa postagem? Deixe seu comentário!