'As Vantagens de Ser Invisível' de Stephen Chbosky

O livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.

Estava louca para ler 'As Vantagens de Ser Invisível', principalmente porque foi transformado em livro e queria lê-lo antes de ver o filme (mas fiquei muito triste pois o filme não está passando em minha cidade).
O mais legal do livro, é que ele é escrito em forma de cartas, todas começando com a data, logo vem escrito 'Querido amigo', e nós não sabemos quem é o Querido amigo, nem Charlie o conhece pessoalmente, e no final de todas as cartas vem escrito 'Com amor, Charlie'. E as cartas são escritas de uma forma muito impessoal e engraçada, fazendo a leitura gostosa e real.
Foi isso que senti quando li o livro, que aquilo era real. Qualquer pessoa poderia ter passado pelo o que Charlie passou, e em algumas partes até me identifiquei com o garoto.
Mas devo confessar que quase de ler o livro, a história me pareceu um pouco adulta demais, ou talvez seja porque eu não goste de tocar em assuntos sexuais, que é um dos temas abordados no livro. Assim como homossexualidade, estrupo, drogas e outros assuntos da adolescência, mas os assuntos são abordados de um jeito diferente, até cômico, que não o faz parecer clichê igual a outros livros.
Charlie é um personagem sensível e ingênuo, o que o faz ficar sem jeito em alguma situações, e em quase todas acabar chorando, muita das vezes pois está assustado. Gosto de como ele é real, mesmo não ter ninguém tão sensível quanto ele, gosto de como e inocente, a ponto de quase perder a menina que ama. Mas mais que tudo, gosto como ele vê o mundo e me fez olhar para o mundo de um jeito diferente.
" Então, acho que somos quem somos por várias razões. E talvez nunca conheçamos a maior parte delas. Mas mesmo que não tenhamos o poder de escolher quem vamos ser, ainda podemos escolher aonde iremos a partir daqui."
Gostei do livro, ele é único e infinito, vou querer relê-lo daqui a uns 2 ou 5 anos, para ver se eu mudo meu olhar novamente, somos invisíveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou dessa postagem? Deixe seu comentário!